quarta-feira, 8 de setembro de 2010

PARA INÍCIO DE CONVERSA...


Comente sobre a sua experiência literária escolar (vá até onde a sua memória permitir)






Fonte: desenho cedido gentilmente por Letícia Leiro.

70 comentários:

  1. PODIA COMEÇAR DIZENDO: NO MEU TEMPO...rs rs rs. Brincadeirinha. A sério que quando me daparava com qualquer coisa escrita queria saber o que dizia alí...Mas foi aos sete anos, na primeira série (nao tive escola antes disto),o encontro com MEU primeiro livro. Até hj lembro as personagens Eva e Ivo na capa com um guarda-chuva.Meu desmpenho com a leitura foi tao bom q ganhei um livro de presente da professora. Se chamava Dois bonecos correm mundo, tinha até pouco tempo atrás (acho q ainda tenho só nao sei onde).Ele tinha ilustraçao lindíssima e muita parte escrita o q me encheu de alegria. continuei amando os livros curtia desde sua chegada com cheirinho de novo, o cuidado ao encapa-lo e nao riscar com caneta para nao manchar...q engraçado, td isso tá tao vivo em minha memoria.
    Acho que passei por todas as fases:livrinhos infantis,gibis,as revistas de fotonovelas(xiiii antigo né?), os romances de época e tbm os do tipo Sabrina e Bianca q hj tem nome moderno,muitos da Coleção Vaga-lume, auto-ajuda, Mario Puzzo, Gibran, Pequeno principe,Sidney Sheldon, Neruda, William B.Yeats,tantos, tantos...hj leio blogs, as vezes até escrevo.

    ResponderExcluir
  2. Jóia, Jóia, qual o seu nome?
    De fato, fotonovela te denunciou (rsrs). Você sabia que existem várias na internet? Sites de fotonovelas? Pois é, estive até pensando em desenvolver um projeto recuperando a fotonovela,pois acho que essa geração agora iria adorar, já que é um misto de fotografia, teatro e quadrinhos. Vamos voltar a falar nisso. Lúcia

    ResponderExcluir
  3. Um salve a tod@s. estimada professora Lúcia Leiro e discentes, eu me chamo Jailson Lima( novo aluno da UNEB) estarei(estou)fazendo vossa displina neste semestre, bem já fui recepcionado pelos alun@s do 2ºsem.e e m breve nos conheceremos.

    Bem, quando se é solicitado à descrição dessas etapas da vida, a princípio parece que será rapidamente relatado em poucas linhas, mas, ao pensar nos detalhes, começa-se a revê-los passo a passo. Como num filme retornam à mente e nos possibilitam reviver essas experiências com riqueza de detalhes que livro algum conteria cada uma delas. Até parece que acabaram de acontecer.

    Formação Primária- Nunca me esquecerei do meu primeiro dia de aula: minha mãe entregou-me nas mãos de uma servente que me conduziu escadas acima até chegar à sala em que eu deveria estudar.

    Quando me vi dentro da sala de aula, a professora(não me lembro o nome dela, aliás não era bom em gravar nomes desde pequeno) , estava brincando com seus alunos de adivinhar o som que ela emitia com alguns objetos que segurava.
    Comecei a sentir-me mais atraída pelo carinho e atenção da professora. A partir daí me apaixonei pela escola e pela professora, mas havia áquela que fazia o papel de bruxa, dessas nunca me esquecerei.

    A Dona céu.... era muito carinhosa, bondosa e amável com todos os que por ela passavam. Foi com ela que fui alfabetizado ainda no processo da cartilha, mas a Dona Nilza...era uma bela fera.

    Formação Secundária- Nesta época qualquer escola que, por algum motivo, se organizasse para inovar sua Então, baseada nisso, a educação era transmitida de forma tradicional, os alunos aceitavam tudo sem discutir. Não era ensinado a pensar crítica e criativamente. Todos eram obrigados a serem iguais: uso obrigatório de uniformes, filas para tudo, não se podia cantar qualquer música a não ser o hino nacional. Todos deveriam agir igualmente. Até nas escolas isso chegou a afetar.

    A formação Geral- Já o Magistério imaginava que seria um curso apaixonante, ele nos levaria de volta à infância e nos faria recordar cada etapa da vida: desde os materiais para estudo que deveríamos confeccionar até os estágios que deveríamos fazer. seria teoria na sala

    de estudos, oficinas para confecção de materiais pedagógicos, observações de salas de aulas e por fim as regências, como eu ouvi e vi no seminário pedagogico, isso não agrada meu estômago e minha veia realista e naturalista.

    O fim de um longo começo.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Jailson, como vai? A partir de terça-feira estarei aí. Eu gostei muito dos seus registros em relação à experiÇencia escolar. Me fale um pouco da sua experiência literária. A sua relação com a leitura e a literatura.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Tiane Melo, 2º semestre, vesp.
    Bom pra começo de conversa posso dizer que sempre tive contato com a literatura infantil, pois minha mae é professora de educação inantil.
    Me lembro que quando era mais nova, so dormia se minha mae me contasse as historias infantis, e olha que eu enchia o saco... rs, mas é claro que eu as lia tbm, ne.. rs
    Ate hoje tenho essas historias, por exemplo, chapeuzinho vermelho, o magico de oz, saltimbancos, simbad o marujo, rapunzel, alice no país das maravilhas, entre outros... sempre fui cuidadosa com essas coisas...
    Acredito que o contato com a literatura infantil me ajudou e muito pois quando brincava de boneca sempre criava e recriava historias.
    Lembro que quando pequena produzi dois livrinhos, um que contava o ultimo capitulo da novela Rosalinda e outro em que fiz a narração de um fato que aconteceu em minha familia, que foi a historia do Burro Esperto e do Menino Burro, e 'homenagem' ao meu primo que mora no interior, em todos dois livros eu mesma fiz as ilustrações, ficou tão legal que eu dei ate pra minha avo, outro dia inclusive achamos guardados entre as coisas dela... foi muito legal produzi - los, mas parei por ai...
    Acredito que a literatura infantil incentiva muito a imaginação da criança e é atraves dela que se começa a despertar o gosto pela leitura e pela propria escrita.
    beijunhos tyane ...

    ResponderExcluir
  9. Oi Professora Lucia, meu nome é Vera Lúcia 2º de pedagogia noturno.Bom, tive varias experiências de leitura e antes mesmo de conhecer as letras, já fazia leitura das gravuras inseridas nos livros e revistas. Eu mesma inventava as estórias e p/ mim era como se fosse reais.Mas o que marcou mesmo e aí eu já conhecia as letras, foi um texto de um livro de português com o título comunicação e expressão que ganhei da minha professora do primário, lá em um dos textos, estava registrada a estória das meninas que viraram bonecas.Me apaixonei pelo título e logo quis saber porque as meninas viraram bonecas e minha curiosidade ficou ainda mais aguçada quando descobri que o nome de uma das meninas era Vera rsrsrs.Essa tal de Vera estava na casa da sua colega Silvinha e as duas acordaram no meio da noite com as bonecas pulando da prateleira , andando e falando, ajeitando as roupas e arrumando os penteados e naquela confusão o quarto ficou todo iluminado e cor-de-rosa e de repente apareceu uma fada chamando as bonecas todas pelo o nome e ajudou-as a subir na janela e foram todas para o carro que estava lá fora . e a fada voltou para dizer as meninas que havia recebido a carta delas com o pedido e só iria atender porque elas haviam descoberto o segredo das bonecas. A condição era não contar para ninguém e se comportarem bem na terra das bonecas, agora para chegarem até lá na terra teriam que se transformarem em bonecas, Toparam o desafio e viraram bonecas. O interessante é que quando me dei conta, estava me sentido também uma boneca é como se estivesse sentindo toda aquela sensação que elas descreveram quando a fada tocou as com a varinha de condão. A estória termina com a fada chamando-as para o carro onde as bonecas estavam aguardando. E eu conseguir ir muito alem, me vir no carro conversando com as bonecas feliz da vida e até chegando à terra das bonecas onde na minha imaginação havia muitas casinhas bem pequenas cheias de moveis e muitas bonecas de vários tamanhos, lá eu podia brincar tranquilamente sem me preocupar com horário para comer, dormir, ir para a escola, tomar banho... Enfim a leitura tem essa magia, esse poder de transportar o leitor a lugares nunca vistos, a viver experiências incríveis por isso vale a pena cultivar e incentivar as pessoas adquirirem o hábito da leitura.
    Um abraço a todos.
    Até o dia 13/10 pofessora bjsss.

    ResponderExcluir
  10. Olá professora Lúcia Leiro, meu nome é Regina Farias, sou estudante de Pedagogia na Uneb 2° período. A leitura de romances e outros textos literários quase não fizeram parte da minha vivencia escolar. Essas leituras foram feitas fora da escola, sobre a influência de minha irmã mais velha, minha prima e uma tia. Elas liam muitos romances, sobretudo os de banca de revista como os da coleção Sabrina. E eu passei também a fazer a leitura deles.
    Não tenho recordações de leituras de livros na escola entre a alfabetização e a quarta série, nem mesmos aqueles livros só de figuras. O contato que tinha era apenas com textos dos livros didáticos e apontamentos no quadro. Geralmente as professoras mandavam estudar um texto do livro didático em casa, para no outro dia ler trechos em voz alta na sala de aula. Ou escreviam no quadro e mandava que os estudantes lessem.
    A leitura de livros só foi fazer parte da minha vida escolar a parti da 5°, mais precisamente na 7° e 8° série. Não me recordo o nome do autor nem do livro que li pela primeira vez na escola, mas lembro que a história era sobre um menino que sobrevivia a Guerra de Canudos. Fiquei muito impressionada com a história e isso mim marcou muito. Outro livro que me recordo de ter lido nesse período foi Iaiá Garcia de Machado de Assis. Lembro que fiquei desesperada durante a leitura desta obra porque não entendia a linguagem do autor e por conseqüência a história. Para fazer a prova de português sobre o livro a minha tia teve que me explicar à história. A leitura de romances só se tornou expressiva no contexto escolar quando comecei a me prepara para prestar vestibular.

    ResponderExcluir
  11. A literatura entrou em minha vida de uma forma muito agradavel e encantadora.o primeiro texto que me recordo ter lido e me incentivado a continuar foi um texto camado:o menino que tirava algodao do umbigo,"viajei" (pois foi em um livro no qual a professoara tomava religiosamente a licao na segunda serie primaria), me conquistou e dai em diante ficava fascinada com os textos daquele livro, lia sem mesmo ter obrigação.

    Recordo-me tambem que ja na quarta serie primaria a professora tomou nossa licao como de costume e o texto era "a banda", viajei nas palavras daquele texto, o qual nem mesmo sabia que se tratava de uma musica de Chico Buarque(a literatura me influenciou tambem no meu gosto musical, rsrsrs), mais tarde descobri e comecei a ouvir as musicas de Chico e me apaixonei,cada letra uma leitura e um novo conhecimento!

    Nas series seguintes do ensino fundamental por incentivo e indicação dos professores comecei a ler pedro Bandeira, jorje Amado e por iniciativa propria comecei a procurar por outros generos da literatura e fui me apaixonando por cada descoberta.

    Para mim hoje a literatura é fundamental, me trazem novas descobertas, me desafiam e acaba sendo um terapia, a cada leitura um renascimento, uma nova forma de ver a vida, e como dizia Mario Quintana:"Dupla delícia/ O livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado..."


    Neilma Carvalho
    II sem-vespertino

    ResponderExcluir
  12. Livro, em minha vida, nunca foi algo fácil. Meus pais nunca me compraram livros, nem mesmo didáticos; lembro que minha mãe sempre dizia: “o conteúdo de língua portuguesa é o mesmo em todos os livros da biblioteca!”.
    Minha avó gostava muito de ler, mas não a literatura convencional, ela gostava de fotonovelas, dessas, eu me lembro bem, pois as lia às escondidas, visto que minha mãe considerava aquela leitura inadequada para os meus dez anos.
    Eu “devorava” aquelas histórias melosas ilustradas por fotografias quase que diariamente.
    Certa vez fui flagrada por minha mãe durante uma dessas leituras e até minha avó “levou bronca”. No dia seguinte surgiu um livro, me lembro que era antigo e não tinha capa, numa das páginas o título: “Ana Terra”. Se o li até o final não sei, não lembro! Devo ter lido, pois minha mãe passou a vigiar minhas leituras visto que entendia que somente esse tipo de leitura seria útil para sua filha.
    Não me recordo de livros de literatura infantil, nem de fábulas contadas durante minha infância. Minha avó contava as histórias de cordel, e eu as achava fantásticas e mirabolantes. Outro dia assisti a um filme e, no decorrer da película, lá estavam elas, as histórias da saudosa Vó Leleta, filmadas, no cinema!
    Há alguns anos voltei a me interessar por leitura, pelo menos a realizada pelo simples prazer de ler, e confesso me sentir faminta.
    A disciplina de Literatura Infantil, cursada há pouco mais de dois anos, em especial um círculo de leitura do qual participei, descortinou uma nova visão da literatura infantil para mim, pois mesmo comprando e até lendo esse gênero literário para minha filha, eu o fazia com olhos e ouvidos de mãe, ou seja, não percebia a obra de forma intensa, visto que a olhava, porém não a via.
    A experiência do círculo de leitura me proporcionou o contato com obras selecionadas por outras pessoas, o que me oportunizou fazer uma leitura desprovida dos pré-conceitos ocasionados pela seleção pessoal da obra.
    Cito como exemplo o livro “A honestidade sempre vence” (Legrand, 2007) que, devido ao título tendencioso, provavelmente não teria lido se uma das companheiras, participante do círculo, não o tivesse indicado. A leitura da referida obra foi muito gratificante e, sobretudo, surpreendente, visto que apesar do título, o pequeno livro traz o universo oriental de forma leve e criativa, ao contrário de minha expectativa.
    Além do acesso às obras, o círculo de leitura me proporcionou momentos de reflexão coletiva, desvendando novas nuances, para mim, às vezes quase imperceptíveis e que vieram à tona através da leitura, da percepção, do olhar do outro.

    ResponderExcluir
  13. Bem, bem...li alguns dos comentários acima, mas agora, minha dor de cabeça não me deixa ler os outros...Enfim,não tenho muitas lembranças de contatos mais próximos com leitura escrita na minha infância, pelo menos, a tão "prazerosa"...apenas alguns quadrinhos de Mauricio de Souza e Marvel...eu via mais filmes..gostava de ficar até tarde na noite com meu pai vendo filmes...nesse ínterim eu escrevia muito em meus diários, e tive, inclusive, a ajuda dos meus amigos imaginários(foram vários)...Mas, depois, eles se foram e qdo eu comecei a trabalhar numa livraria, aí sim, eu conheci autores e outras formas de "viajar" com as amizades q fiz...Fui apresentada a Amos Oz, Bukowski,Mia Couto,Drummond, Lispector, Dumas,alguns quadrinistas...e outros q agora não lembro mais...
    É isso...

    ResponderExcluir
  14. Olá professora e caríssimos colegas ! Meu nome é Antonio Mario aluno do 2° Semestre matutino, e tentarei ser o + breve possível nas minhas palavras pq se eu me empolgar, ñ paro + rs!...

    Tenta lembrar quando eu comecei meu contato com livros é bem complikdo + eu acredito q tudo começou com um empurrãozinho de minha tia q era pedagoga e um certo incetivo em casa apesar de meus pais ñ serem leitores vorazes.. ! lembro q na minha escola no ginásio eu ia sempre a biblioteca cm os amigos + só eu pegava livros o prazo de devolução era de 3 dias e eu sempre devolvia antes as pessoas ñ acreditavam q eu lia tão rápido eu tinha q resumir o livro pra acreditarem rs! lembro q minhas primeiras incursões no mundo literário foram através dos livros da série "Vaga-Lume" q é uma série meio antiga + mto boa eu gostava me imagina sendo aqueles heróis desbravejando florestas e tal ! rs ! eu tinha na faixa dos 12 para 13 anos eu acho .. e esse foi o grande barato de eu gosta de lê a capacidade de me transportar pra universos que muitas vezes só existiam nos contos de fada + que eram extremamente reais na s minhas leituras e ainda são até hj ! Durante essa fase conheci livros de dois dos meus autores favoritos conheci Sidney Sheldon através do livro Quem tem medo de Escuro e Caco Barcellos atráves de Rota 66- A história da policia que mata, que por ventura do destino eu estou relendo . Sempre fui muito eclético cm minhas leituras, quando fiz 14 anos fui estudar no Sesi uma insituição maior e cm + livros rs! nessa epok eu li todos os livros de Sheldon que tinha lá, conheci Agatha Christie e o gênio Jô Soares ao fim desse ano (2006) ganhei um prêmio como a pessoa que + tinha lido na biblioteca ao longo do ano inteiro rs! me senti lisonjeado é logico ! Dps da fase sheldon li alguns livros de paulo coelho + sempre gostei da linha investigativa policial. Outro autor q eu li//leio bastante é Jorge Amado nossa os livros dele me trazem uma identificação fantastica fazem eum sentir a minha "baianidade" ao máximo vc se reconnhecer e reconhecer sua terra em cada trecho de livros como mar morto, capitães da areia, jubiabá, é algo fantástico! Não vou me alongar + falando ja escrevi muito ao longo do semestre eu falo +, + pra constar os últimos livros que eu li foram Rota 66 Caco Barcellos, Estação Carandiru Drauzio Varela , A saga de Percy de Jackson de Rick Riordan (Sou louco por mitologia) e atualmente estou lendo Tereza Batista de Jorge Amado e Abusado o dono do morro santa marta de Caco Barcellos , pra se ter uma idéia do meu vício alguns desses livros eu tnho lido no celular descobrir um dispositivo capaz de armanezar livros nele , assim eu posso lê no escuro rs! se se interessarem eu passo o arquivo ! e essa é um pouco da minha breve e continua experiência constante, marcante e evolutiva experiência com a leitura e a literatura!

    ResponderExcluir
  15. Olá professora e carissímos colegas, meu nom é Antonio, aluno do segundo semestre de pedagogia turno matutino e agora vou tentar contar um pouco da minha experiência cm a leitura e a literatura !

    Não lembro exatamente quando nem pq, + fzendo um esforço de memória vejo q desde os 10 anos +- a biblioteca da minha escola ja me fascinava, acho q o fato de eu so poder pegar livro quando fiksse + velho era a maior motivação rs!, desde menor sempre tive acesso a revistas como a istóe a Seleções + ñ lia muito , + desde qeu passsei a frequentar a biblioteca da escola ocorreu uma grande aproximação minha cm os livros e até hj a gente ñ se separou rs! lembro q no começo eu lia bastante livros da série "Vagalume", nossa adorava aquelas aventuras em ilhas e tal com perigos sempre me imaginava naquelas situações e deixava a mente fluir, lembro tbm eu fikva contanto as capas no fundo dos livros pra vê quantos eu faltava ler rs! nessa epok o prazo de devolução da biblioteca era de 3 dias e cm eu sempre pegava + de 1 livro e devolvia antes dos prazo as pessoas ñ acreditavam q eu lia mesmo , eu tinha q fzr resumos dos livros pra acreditarem rs! Nessa epok conheci um autor do qual viria depois a lê quase tds os livros Sidney Sheldon ! Foi amor ao primeiro livro rs! li todos os livros dele q encontrei na minha frente até, quando fui estudar no sesi em 2006 me esbaldei cm os (acho) que + de 12 titulos dele que tinham lá nessa epok conheci tbm agatha cristie jô soares , e já tinha um contato com paulo coelho por causa do "o alquimista" e com Dan Brown e J.k Rowling ! ao fim do ano de 2006 no sesi eu fui premiado cm o aluno q + leu livros durante aquele ano tive q ir falar pra um auditório cheio sobre o que signifikva ler pra min, me senti lisonjeado é claro e simplismente tentei dizer o q esse verbo "ler" signifik pra min algo do tipo , se transporte sem sair do lugar !
    Dps de lê mto Sheldon, conheci tbm outras leituras que me fascinaram como o jornalismo investigativo de Caco Barcellos, e todos e qualquer livros q tratassem das Mitologias Gregas e das tradições africanas assuntos pelos quais eu sou fascinado ! até hj eu leio em média 2a 3 livros no mês , meu vicio é tanto que descobri um dispositivo na internet capaz de converter livro pro celular e hj em dia faço isso pra poder ler no escuro rs!
    Atualmente estou lendo Tereza Batista de Jorge Amado e Abusado o Dono do Morro Santa Marta de Caco Barcellos ambos autores super inteligentes cada um ao seu modo . ! Sempre fui um leitor muito eclético e até hj me considero assim acredito q se um livro tem um bom enredo ñ importa sobre o q ele trate ele merece ser lido, hj em dia procuro estimular ao máximo a leitura as pessoas a minha volta e tento me acostumar a leituras acadêmicas rs! complikdo !!!

    Mas ao longo do semestre falarei + sobre a minha breve, continua, evolutiva e constante, relação cm os livros e cm todo o universo q só eles são capazes de me proporcionar!

    ResponderExcluir
  16. Olá professora e carissímos colegas, meu nom é Antonio, aluno do segundo semestre de pedagogia turno matutino e agora vou tentar contar um pouco da minha experiência cm a leitura e a literatura !

    Não lembro exatamente quando nem pq, + fzendo um esforço de memória vejo q desde os 10 anos +- a biblioteca da minha escola ja me fascinava, acho q o fato de eu so poder pegar livro quando fiksse + velho era a maior motivação rs!, desde menor sempre tive acesso a revistas como a istóe a Seleções + ñ lia muito , + desde qeu passsei a frequentar a biblioteca da escola ocorreu uma grande aproximação minha cm os livros e até hj a gente ñ se separou rs! lembro q no começo eu lia bastante livros da série "Vagalume", nossa adorava aquelas aventuras em ilhas e tal com perigos sempre me imaginava naquelas situações e deixava a mente fluir, lembro tbm eu fikva contanto as capas no fundo dos livros pra vê quantos eu faltava ler rs! nessa epok o prazo de devolução da biblioteca era de 3 dias e cm eu sempre pegava + de 1 livro e devolvia antes dos prazo as pessoas ñ acreditavam q eu lia mesmo , eu tinha q fzr resumos dos livros pra acreditarem rs! Nessa epok conheci um autor do qual viria depois a lê quase tds os livros Sidney Sheldon ! Foi amor ao primeiro livro rs! li todos os livros dele q encontrei na minha frente até, quando fui estudar no sesi em 2006 me esbaldei cm os (acho) que + de 12 titulos dele que tinham lá nessa epok conheci tbm agatha cristie jô soares , e já tinha um contato com paulo coelho por causa do "o alquimista" e com Dan Brown e J.k Rowling ! ao fim do ano de 2006 no sesi eu fui premiado cm o aluno q + leu livros durante aquele ano tive q ir falar pra um auditório cheio sobre o que signifikva ler pra min, me senti lisonjeado é claro e simplismente tentei dizer o q esse verbo "ler" signifik pra min algo do tipo , se transporte sem sair do lugar !
    Dps de lê mto Sheldon, conheci tbm outras leituras que me fascinaram como o jornalismo investigativo de Caco Barcellos, e todos e qualquer livros q tratassem das Mitologias Gregas e das tradições africanas assuntos pelos quais eu sou fascinado ! até hj eu leio em média 2a 3 livros no mês , meu vicio é tanto que descobri um dispositivo na internet capaz de converter livro pro celular e hj em dia faço isso pra poder ler no escuro rs!
    Atualmente estou lendo Tereza Batista de Jorge Amado e Abusado o Dono do Morro Santa Marta de Caco Barcellos ambos autores super inteligentes cada um ao seu modo . ! Sempre fui um leitor muito eclético e até hj me considero assim acredito q se um livro tem um bom enredo ñ importa sobre o q ele trate ele merece ser lido, hj em dia procuro estimular ao máximo a leitura as pessoas a minha volta e tento me acostumar a leituras acadêmicas rs! complikdo !!!

    Mas ao longo do semestre falarei + sobre a minha breve, continua, evolutiva e constante, relação cm os livros e cm todo o universo q só eles são capazes de me proporcionar!

    ResponderExcluir
  17. Minha história com a literatura começou de uma maneira no mínimo conturbada. Desde minha infância, lia livros somente para satisfazer as exigências ou da escola ou de meus pais, contudo, foi depois de um evento não muito feliz que a leitura entrou definitivamente em minha vida. Tinha 15 anos quando meu pai faleceu. Minha mãe já não estava mais comigo havia uns 10 anos, vítima de um câncer, e quando vi a história repetir-se, me vi sem um rumo certo ou uma perspectiva. Todos os meus projetos em andamento como meu curso de piano e outras atividades que para mim eram de extrema importância perderam seu valor e significado. Acho que percebendo este meu momento “melancólico”, meus irmão começaram a me incentivar a buscar outras atividades que eu achasse interessantes. Foi quando eu descobri o cinema. A partir daquele momento, ir ao cinema tornara-se minha maior diversão e em uma destas empreitadas, descobri os filmes de Harry Potter. Sei que parece infantil, mas não pude evitar meu encantamento com uma personagem que, de certa forma, vivia uma realidade tão parecida com a minha. Ao assistir então o segundo filme da saga 4 vezes só no cinema, resolvi que poderia muito bem satisfazer minha curiosidade lendo os livros que se seguiam, não precisaria esperar o lançamento de um próximo filme. Então comprei o meu primeiro livro. O li em 3 dias, e foi uma das melhores experiências de minha vida. Não sei se as coisas teriam sido assim em outras circunstâncias, mas afirmo, com toda a convicção que, pelo menos por mim, a autora pode morrer sabendo que mudou uma vida. Hoje leio um pouquinho de tudo, só este ano acho que já li uns 40 livros, o que a alguns anos me pareceria surreal, mas devo admitir, devo isso sim a um bruxinho muito simpático que me fez ver que minha vida poderia ser melhor algum dia, mas que isso dependia de mim.

    Ivanete Ferreira Costa

    2º Semestre – Pedagogia – UNEB – Matutino – 2010.1

    ResponderExcluir
  18. A minha experiência literária escolar foi bem agradável, exceto quando o Colégio adotou o livro Iracema de José de alencar, pois não me identifiquei com a leitura e o estilo do autor. Mas no geral, como sempre gostei de ler, embora não tenha lido o quanto gostaria, sempre foi prazeiroso o momento da literatura proposta pela escola. Lembro-me de ter lido pela primeira vez o Autor Marco Reis (Agora estou sozinha),quando a escola que estudei até a 7ª serie incluiu-o na lista de livros, gostei tanto que li outros dele. Tenho uma particular preferência por Jorge amado, e já li Machado de assis e Eça de queiroz por vontade propria e não por influência escolar. Recentemente tive uma ótima experiência na Uneb, no 1º semestre com a disciplina filosofia, na qual escolhi o Livro Edipo Rei de Sofócles entre a lista prosposta pelo Professor, pela primeira vez eu li mitologia grega e adorei.
    Janaína Bastos Alves
    2• Semestre de Pedagogia Plena-matutino

    ResponderExcluir
  19. Bom, eu me chamo Joelma estou no II semestre no turno matutino.
    Bem, posso dizer que desde pequena lia revistas em quadrinhos, mas aos 12 anos, quando estava no intervalo da aula resolvi da uma passada na biblioteca do meu Colégio, olhando aqui e ali me deparei com um livrinho bem fino que me chamou a atenção, me despertando para a leitura.
    Lembro vagamente da história, que era sobre uma adolescente e suas descobertas... Só não esqueço da minha reação ao iniciar a leitura. Apenas sei que devorei aquele pequeno livro, pois aquela história me trazia várias sensações diferentes, uma magia existia em cada página lida e a esperança de chegar ao pote de ouro, que era o final crescia a cada instante em que superava cada capítulo.
    Não sei se foi a partir daí que comecei a gostar de escrever poesias, pelo fato de que quando você lê,acaba se envolvendo com cada personagem, acontecimento e etc. E ao escrever cria- se emoções nas pessoas, além romper as barreiras da imaginação com cada palavra escrita. Assim vou lendo alguns livros e no tempo livre quando estou inspirada escrevo poesias.

    ResponderExcluir
  20. Óla colegas e professora,meu nome é Juliana e a minha experiência com a leitura na escola no período da infância foi dificil, pois não havia o incentivo pela leitura na escola.Na escola só havia leitura de textos didáticos que faziam parte do livro de português ultilizado, ou historinhas infantis que não me despertavam o interesse pois eu ja sabia a história de "Chapêuzinho Vermelho".
    Já na minha 8º do ensino fundamental uma professora minha de português fez um trebalho diferente e interessante com o livro de Jorge Amado "Capitães da Areia", e apesar de ser um trabalho valendo ponto me despertou o prazer pela leituraJá na minha 8º do ensino fundamental uma professora minha de português fez um trebalho diferente e interessante com o livro de Jorge Amado "Capitães da Areia", e apesar de ser um trabalho valendoponto por obrigação despertou meu prazer pela leitura.

    Juliana Soares de Souza 2ºSemestre
    Curso de Peragogia - Matutino

    ResponderExcluir
  21. Passei a conhecer e aprender um pouco sobre a literatura no meu 1ºano do ensino médio.Pude compreender um pouco de cada assunto abordado como:Parnasianismo,Romantismo,Barroco,Modernismo...etc.
    Foi interessante ter a noção da escola literária "Barroco" que tem como seu principal representante o poeta Gregório de Matos, também chamado de o "boca do inferno".
    Gregório era um verdadeiro crítico. Seus poemas são de natureza satírica.
    O legal da literatura é que também, além de aprendermos sobre os movimentos literários de cada época,aprendemos também a respeito dos poetas que,calro,contribuíram para a literatura.
    No entanto, considero a literatura como sendo uma matéria de grande importância para mim; pois,fez despertar um gosto pela leitura.
    Lembro-me de que a professora em cada unidade solicitava pelo menos dois clássicos para lermos para fazer a prova.Confesso que no começo achei uma chatice, dava uma preguiça de ler,até porque era uma obrigação estudar para me dar bem na avaliação.À medida que ia fazendo a leitura das obras indicadas, pude observar o quanto aquela leitura me "prendia", era prazerosa.Logo,conclui que gosto de ler, porém, não tinha o hábito da leitura.

    Fernanda Maria de Castro
    2ºSemestre-Pedagogia-Matutino.

    ResponderExcluir
  22. Minha experiência escolar com a literatura foi no ensino médio, que pude ter o primeiro contato com a literatura. Ate,então nem sabia de quê assunto se tratava. As aulas eram lecionadas pelo o professor de gramática, na verdade não tive uma disciplina de literatura e sim de gramática, ou seja, não era ensinada individualmente.
    O aprendizado dessa matéria foi muito artificial,com pouca ênfase , resumindo-se as escolas literárias. Em toda minha vida escolar no ensino médio, somente um professor incentivou a leitura, apesar dele quase ter imposto um determinado romance para todos os alunos e que logicamente valia ponto para prova. Mesmo sendo imposto, achei bom para mim, pois seria a minha primeira leitura de um livro. Muito proveitoso porque gostei desse romance , me identifiquei com ele foi realmente muito prazerosa sua leitura. Porém não continuei lendo outros livros. À vontade da leitura só veio mesmo já na Universidade com uma disciplina de leitura e produção de textos onde a professora incentivava muito a gente de acordo com nosso gosto e não existia uma imposição, ela valorizava nossa escolhas, seja qual fosse o livro. Isso me fez despertar e querer ler mais livros.
    Se no meu segundo grau tivesse uma professora como a de produção de texto, concerteza a minha vivencia com a literatura seria muito mais gratificante e menos artificial.

    Dalva Quele Silva de Sousa

    2º Semestre- Pedagogia-Matutino

    ResponderExcluir
  23. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  24. Minha experiência com a literatura no ensino fundamental não foi muito satisfatória, já no ensino médio contemplei um pouco sobre essa arte atemporal com sua relevância e diversas formas de analisar períodos em que esta se destacou no decorrer da história. Mas agora a visão é outra os horizontes mudaram e os conceitos se renovaram para esse novo desafio de saber mais sobre essa arte.

    ResponderExcluir
  25. Olá pessoal!
    A minha experiência com a literatura começou na infância, quando a minha professora do primário passou vários contos e livros de historinhas infantis para trabalharmos e me encantei muito. Quando tinha 11 anos meu pai me deu de presente uma caixa com uma coleção de livros infantis dos quais eu mais gostava e que guardo comigo até hoje. Mas confesso que apesar de gostar de literatura o meu interesse em ir atrás dos livros e lê-los não era muito grande e só lia mesmo quando uma professora pedia. Como foi o caso da minha 8º série quando li Capitães da Areia, de Jorge Amado, Uma Pequena luz na escuridão, A Moreninha e Escrava Isaura. E do mesmo jeito foi no meu ensino médio onde li Dom Quixote, Senhora, Vidas Secas, Primo Basílio, Macunaíma, O Cortiço e o Medalhão até mesmo para fazer o vestibular e mesmo sendo forçada a ler confesso que gostei praticamente de todos que li. Mas interesse mesmo só tive esse ano onde me interessei em ler a saga crepúsculo da qual ouvia tanto falar, mas nunca havia me interessado e esses sim leio com muito apetite e os devoro em poucos dias.E acho que agora sim irei deslanchar a ler cada vez mais já que descobrir que meu interesse está voltado para os romances.

    Ana Conceição Pereira Ribeiro
    2º semestre de pedagogia na uneb, matutino, 2010.1

    ResponderExcluir
  26. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  27. Estela Santos de oliveira 2° sem. Matutino

    Minha Experiencia literária quando criança foi algo fundamental para minha adoraçao pela leitura, pois foi a partir dela que aprendi a maioria das coisas que sei hoje. Os grandes enfluenciadores para essa adoraçao por livros foram meus pais que sempre ensentivou a leitura na minha casa. Meu primeiro passo dessa experiência foi com Gibis da turma da Mônica que até hoje sou apaixonada e quem me deu foi meu pai. Porque a pesar de ele naum ter concluido o ensino medio ele sempre me disse que algo que nos liberta é a leitura e que ela também nos faz crescer e enriquecer nosso vocabulário. A partir dos Gibis eu comecei a ler livros de literatura infato-juvenil no qual o que me marcou muito foi Feiurinha! E até hoje gosto de muito de ler, mas eu devo isso tudo aos meus pais pois a escola não teve influência alguma.

    ResponderExcluir
  28. Oi galera!!!!
    O que posso falar sobre minha experiência literária na escola é:todas as séries que eu lembro passavam livros para ser dado nota sem um critério diferênciado de escolha e método para avaliar essa leitura.Eu gosto muito de ler não por causa da escola mas pela influência da minha familia.
    Raiane Franca
    2° semestre de pedagogia na uneb, matutino 2010.1

    ResponderExcluir
  29. Olá! Minha história com a literatura é um pouco complicada, pois quando eu era criança, eu adorava ler histórias em quadrinhos e livros extraclasses infantis, mas quando passei para o ensino fundamental isso tudo mudou. Porque quando se trata de uma leitura espontânea, o leitor fica à vontade e quando você é obrigado a ler vários livros isso se torna desgostoso e foi isso que aconteceu comigo. Sinceramente, eu lia porque realmente tinha que ler (Lê-se: provas, trabalhos, ou seja, NOTA). Quando passei para o ensino médio essa situação ainda era a mesma, principalmente quando eu estava no 3º ano, pois a professora passava vários livros para lermos por causa do vestibular. Só que quando terminei o ensino médio, eu não fiz o vestibular no mesmo ano. Eu achava o meu colégio muito fraco e por causa disso, eu fiz um curso pré-vestibular. Então, eu fui forçada a ler várias obras literárias, as quais iam cair na prova da uneb. Passei no vestibular, graças a Deus :) e aqui estou. No 1º semestre, eu adorei a matéria: Filosofia e Educação, pois o professor nos proporcionou uma lista com 50 livros para escolhermos apenas um para chamarmos de "meu". Escolhi "Alice no País das Maravilhas" e adorei! Também a sala toda pôde conhecer várias obras apresentadas por alguns e achei isso muito interessante, pois nos dá condições de ler os livros que gostamos. E sem contar, eu adoro a saga Crepúsculo, por mais que alguns não gostem, eu adoro os 4 livros dessa coleção. Leio cada um com uma imensa vontade, praticamente comendo-os.

    Giselle Pessoa de Oliveira.
    2º Semestre – Pedagogia. Turno: Matutino. UNEB.

    ResponderExcluir
  30. Minha experiência com literatura não é muito vasta, embora eu tenha tido como disciplina escolar desde a 5ª serie. Os livros que passavam para lermos, se tornavam leituras cansativas e nada prazerosas. Mas em uma visita feita a biblioteca da escola onde eu estudava, achei um livro bem escondidinho, cuja capa não era muito atraente, mesmo assim quis lê-lo, e foi um dos livros mais agradáveis que li.
    Li outro livro, este de cunho evangélico, eu o "comi".
    Como gosto de novelas e filmes, li um livro, de José de Alencar, Lucíola, o qual foi usado numa novela da rede Record, "Essas mulheres", que era baseada em três clássicos deste escritor (Senhora, Lucíola e divã), entretanto, admito que a leitura do livro foi mais agradável.
    Andressa Cristina do Nascimento Ricl
    2º semestre de pedagogia da uneb- matutino

    ResponderExcluir
  31. Olá, turminha!
    Bem, a minha primeira experiência envolvendo a literatura aconteceu ainda na infância, primeiro através de minha querida mamãe dona Juci que comprava livros infantis para mim e depois na minha escola Francisco Mangabeira que apesar de fazer parte da rede municipal de ensino tentava incentivar a leitura entre os seus alunos, me lembro até hoje de um livro que foi dado pela escola, se me recordo bem o nome era A bola do meu vizinho.
    Já no ensino médio senti dificuldade de ler os livros que eram passados pelos educadores,porém deve alguns que adorei como o Mundo de Sofia de Jostein Gaarder; Senhora, Iracema de José de Alencar, etc. Às vezes algo obrigatório se torna uma coisa prazerosa foi o que aconteceu comigo em relação a esses livros.
    Beijos, Jamile Santos 2º semestre-matutino. :)

    ResponderExcluir
  32. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  33. Olá!Minha história com a literatura começou um pouco tarde, na infância meu contato com a leitura foi através dos gibis ,só agora adulta que fui apresentada a essa maravilha.O primeiro livro foi um romance que não lembro o nome, logo em seguida, li os "Miseraveis" de Victor Hugo, claro, que uma adaptação de Walcyr Carrasco,mas foi o livro que mais me chamou a atenção para entrar nesse mundo da literatura.


    Valdirene Turno matutino II simestre

    ResponderExcluir
  34. Meu nome é Adalice, sou aluna do 2ºsemestre vespertino, minha experiência com a literatura foi no ensino fundamental, quando tive que ensaiar uma peça sobre o sitio do pica-pau amarelo após ter feito uma leitura em classe sobre esta história,e foi muito legal.Já perto da minha formação no Magistério tive que fazer muitas apresentações na escola que estagiei, lendo sempre algum livro literário, para que eles comentassem depois, e isso foi muito gratificante.Hoje eu consigo trablhar em sala, apartir desta experiência.

    ResponderExcluir
  35. Olá, meu contato com a literatura na infância se deu mais por gibis da turma da Mônica que eu lia e amava muito, até pedia emprestado a todos os meus colegas que o possuíam. Mas, o que me marcou mesmo e que também me incentivou a ler, foi o livro de Harry Potter , que a minha irmã pegou para ler na biblioteca da escola onde ela estudava.Eu tinha13 anos nessa época, passava o dia todo lendo e imaginando como seria todos aqueles objetos e viajando nas cenas que eram relatadas no livro. Me lembro, que ficava muito ansiosa para saber o desenrolar da historia, quando mais eu lia mais queria continuar lendo. Então, foram esses os meus primeiros contatos com a literatura.

    Naiana Lima
    2° Semestre Pedagogia Turno:Matutino

    ResponderExcluir
  36. Bem, o meu contato com a literatura não foi tão emocionante como de muitos, eu acredito. (risos).Primeiramente por crescer com pouco contato com os livros, nunca gostei de ler, não era motivada a isso, obviamente que não culpo minha família e escola, apesar de terem parte de responsabilidade nisso, mas me com toda certeza a maior parte da culpa é minha. Eu lia bastante revista em gibi, turma da Mônica era minhas revistas prediletas. Tenho aprendido, infelizmente, só agora o quanto é gostoso ler, pois posso interagir, "viajar" na leitura. Tenho procurado recuperar o tempo perdido, pois entendo que não é tarde para reparar tamanho erro. Terminei de ler Franz Kafka, A Metamorfose, e estou lendo também do mesmo autor, Carta ao Pai. E na lista de espera já está Freire.
    Tenho certeza que irei partilhar com vocês minhas descobertas neste lindo mundo que é a literatura.
    Um grande abraço a todos.
    Sou Cristiane Teles, aluna do 2º semestre de Pedagogia na Uneb, no turno matutino.

    ResponderExcluir
  37. Já dizia um bom amigo: O tempo é implacável. De fato, depois de alguns anos (poucos é claro!), já não é tão fácil lembrar das primeiras experiências de leitura. O tempo passa e com ele algumas informações preciosas. Por isso, resolvi, sintetizar a minha experiência com a literatura com um relato bastante genérico, que tem como objetivo, percorrer de forma panorâmica os diversos gêneros com quais tive contato ao longo dos meus “vinte e poucos anos”.
    Literatura. Confesso-me dependente dela, o acesso diário ao seu conteúdo tem semelhança com a necessidade que tenho das refeições diárias, alimentando-me das suas letras sinto-me alicerçado pelo conhecimento do passado, consciente da atual realidade e preparado para o futuro.
    Como a própria vida, ela está dividida em grandes e pequenas porções, onde encontro poesia, drama, metáfora, parábolas, narrativas, cordeis etc... que descrevem a sua diversidade de gênero. Ela é simplesmente fantástica, sinto-me fascinado em mergulhar nos seus oceanos informativos, as idéias apresentadas em cada gênero, são geralmente elevadas, quando vividas, podem conferir felicidade, sua prova, consiste em seu valor, que eleva o espírito a uma condição harmonica.
    O contato com ela regulou meu realcionamento vertical e ajustou os meus relacionamentos horizontais. Quanto mais me aproximo dela, mais percebo a realidade da alegoria da caverna. Que maravilhoso! Encontrei a “luz”, ela tornou-se para mim tão preciosa, quanto uma bussola está para o marinheiro em alto mar.
    De fato, o contato literário é uma fonte inesgotável de conhecimento e prazer e todo aquele que do seu conteúdo se apossa é capaz de discernir o seu próprio tempo.
    Adilson Carvalho Lordêlo Pedagogia 2010.2 – Matutino.

    ResponderExcluir
  38. Minha relação com a literatura começou ainda muito cedo,nem eu mesma me dava conta de que havia uma relação entre nós, pois ainda era uma criança e não sabia ao certo o que era literatura, hoje percebo que a literatura sempre esteve presente na minha vida, sempre ouvia minha avó contar historinhas e contos infantis, daí em diante a literatura se tornou minha grande paixão mesmo sem saber que era uma disciplina.
    Alguns anos mais tarde, a partir do (primeiro) ano do (segundo) grau, tive um reencontro com a literatura, a paixão aumentou ainda mais quando conheci a história de Castro Alves, Tarcila do Amaral, semana de arte moderna, dentre outras belas hitórias da literatura.
    Hoje, espero aprender ainda mais sobre literatura, que essa disciplina no curso de pedagogia me deixe ainda mais apaixonada pela literatura do que já sou.
    Estela Mirian Souza Reis-segundo semestre-matutino.

    ResponderExcluir
  39. Minha relação com a literatuta na infancia não foi muito proveitosa... Me lembro de ter interesse de ler apenas revistas em quadrinhos e os únicos livros nos quais fui praticamente obrigada a ler foi O Pequeno Príncipe (que não li todo e confesso que não gostei) e A Ilha Perdida. Já depois da adolescencia comecei a me interessar pela leitura e trago até os dias atuais esse interesse.
    Me chamo Ana Carla Cerqueira, Pedagogia Noturno.

    ResponderExcluir
  40. Olá sou Rafaela Segundo semestre uneb, matutino. Tenho meu blog também, mas está um pouco desatualizado... Bom. Minha experiência com literatura sempre foi boa, sempre gostei de ler. E sempre gostei mais do modernismo e romantismo, com José de Alencar, é claro. No terceiro ano, fizemos um evento sobre o modernismo, onde eu escrevi, e narrei uma peça sobre os autores... Saudades!

    ResponderExcluir
  41. Hum... Vamos ver se consigo lembrar de alguma coisa...Ah! Acho que sim (rs). Quando era criança lembro que ficava fascinada quando na escola a aprofessora contava aquelas estória que quase não tinham comentarios (falas ou narração), achava aquilo maravilhoso aquelas gravuras tão cheias de cores prediam minha atenção e também faziam minha imaginação viajar pra bem distante, pois por muitas vezes acrescentava bem mais conteúdo aquelas estórias ( Ah como eu viajava,rsrsr). Tempos depoism quando já estava no ensino funadamental e já dominava a leitura os textos foram ganhando níveis mais interpretativos do que imaginários (por muitas vezes achava aguns desses textos bem chatinhos) talvez por exigirem muito de mim, preferia quando chegava em casa e lia os gibis e os contos de fada (eram mais interessantes e propicios para a idade que tinha). Quando passei pra quinta série época em que estavachegando a adolescencia ainda achava muitas das opções de leitura oferecidas pela escola um tanto que chatas, mas neste cenário surgiram também os livros de romance, ah...esses ai roubaram a cena e tornaram-se companheiros inseparaveis. No ensino médio... só se fala em vestibular, aí ja sabe neh?? aquela chatisse (desculpem). E assim seguiu toda minha experiência de leitura em afse escolar, minhas escolhas(quando tinha oportunidade de escolher) estavam sempre relacionadas a minha idade. Nem todas as leitura eram mágicas e agradáveis, algumas queria mudar o final, outras pouco entendia, mas a verdade é que nunca deixei de ler.

    Lílian

    ResponderExcluir
  42. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  43. Olá, bom dia!
    Eu me chamo Márcia Regina, 2º semestre pedagogia vespertino.
    Vou confessar que a literatura na minha vida não foi muito bem passada, embora muito bem criada em meus pensamentos... o sentimento de obrigação pela leitura imposto me fez perder o encanto pela mesma, mas foi bom que consegui resgatar um pouco dessa essência que a literatura desperta em cada ser humano, mesmo sendo um pouco tarde, ou seja, na minha vida adulta. Tenho vaga lembrança da minha infância, eu tinha um disco de vinil amarelo dos três patos eles cantavam varias musicas como ´´...ela deu o radio e não me disse nada ela deu o radio, ela sim...´´ e como eram vozes de personagens animadas me faziam viajar na minha imaginação criando cada um deles... foram momentos mágicos que realmente ficaram marcados... Volto assim que lembrar de fatos literários importantes na minha formação infantil.

    ResponderExcluir
  44. Gilmara disse:
    Olá a todos seguidores, eu sou Gilmara Santos aluna do curso de Pedagogia da Uneb, do segundo semestre noturno. Vir compartilhar minha experiência com a literatura, desse sedo adorava ouvir histórias narradas por pessoas mais velhas, cujas mesmas contavam histórias de contos clássicos da literatura brasileira com branca de neve, chapeuzinho vermelho e os três porquinhos, e com isso me divertia bastante ainda tentava imaginar vivendo todas estas aventuras. Como sempre eu era uma criança bastante sonhadora, e a literatura proporcionou viajar para o mundo imaginário.
    Na formação escolar do primário as lembranças são poucas, lembro da professora usando livros didáticos com intuito dos alunos fazer interpretações dos textos. No ensino médio foi cobrado para os alunos ler alguns livros de literatura brasileira, e com isso eu li o livro Iracema a Índia dos Lábios de mel de José de Alencar, eu percebi que literatura é minha paixão. Confesso que goste de ler principalmente estórias Românticas, outro livro que me marcou foi Vítimas-Algozes, de Joaquim Manuel de Macedo que eu li para vestibular outro interessante O Homem que Sabia Javanês, são livros muitos bons valeu cada segundo do meu tempo lendo estas obras primas.
    A literatura è muito importante para formação do individuo
    Gil Santos

    ResponderExcluir
  45. Boa tarde professora Lucia!Sou Elizete Silva,pedagogia noturno,2.º semestre.
    Só do interior da Chapada Diamantina,foi lá que estudei o ensino fundamental e o médio.Tive um bom contato com a leitura e com a literatura,pois,os professores trabalhavam com artes(pinturas,quadros,enfeites...)com
    livros de historinhas,poesias,versos,cantiga de roda,fazia a gente vestir umas roupas malucas para apresentação,enfim,gostava e me empolgavam
    muito com essas coisas,mas,gostavam somente no ensino fuindamental quando passou da 6.ª em diante odiava tudo isso,apenas continuei e continuo gostando de ler.E,mesmo fora da escola eu ficava sempre com crianças e ficava montando quebra-cabeças,jogo da memória,contava historinhas de branca de neve,chapeuzinho vermelho,a bela e a fera,enfim,a leitura e a literatura foi pra mim um um meio de comunicação que serviu para transmitir os meus conhecimentos para outros da comunidade.E a partir momento em que comecei ler as obras literárias,comecei a perceber as diferenças que ocorridas ao loingo dos séculos.
    Zety silva

    ResponderExcluir
  46. Salve galera! Sou Dalina graduanda do 2°semestre de pedagogia matutino. Devo dizer que minha experiência com a literatura no inicio foi precária. Durante o ensino infantil não tinha um exercício continuo de lêr livros específicos pra crianças. Tinha uma leitura típica da escola,que estimulava a alfabetização dos alunos.No primeiro grau não obtive mudança significativa.Tive contato apenas com dois livros: o primeiro comum entre adolescentes e o segundo de literatura estrangeira.Foi só no segundo grau que alcançei impulso na literatura. Estimulada por uma professora do colégio que recomendaram alguns clássicos para lêr.Comecei por Senhora,em seguida Dom Casmurro,O Mulato e assim por diante. Tomei gosto pela leitura por ter acesso a livros que discernisse temas interessantes como a questão racial,fatos históricos e etc.. que chamaram a minha atenção.
    Percebi o quanto é prazeroso desfrutar da literatura tão rica e variada que nos é oferecida e como ela instiga nossos conhecimentos.

    Beijão,fuiii.

    ResponderExcluir
  47. Lidice, disse

    Oi, professora, o que eu tenho para contar sobre a primeira experiência com a literatura foi quando no antigo 1ª ano B primário(o ciclo era dividido em A mais fracos e B mais fortes)no final do ano aprovada para o 2º ano a professora me deu um livrinho de estória o qual não lembro o nome, mas me lembro perfeitamente das gravuras, tinha uma paisagem lindissíma, cheia de morangos vermelhinhos, apetitosos(eu nem conhecia morango,nunca tinha comido)me apaixonei pela história me emocionei muito. O nome da professora eu me lembro Hildete Argolo. minha primeira professora. Depois no decorrer da escola primária não tive muito contato com a literatura era somente os livros didáticos. Depois fiz o ginasial e tive que fazer pesquisas. Pronto que maravilha! descobri a Biblioteca Monteiro Lobato e aí passava tardes ou manhãs na biblioteca lendo, contos de fadas, Irmãos Grimm,eu literalmente viajava, me transportava para outros mundos e assim continuei a ler,li também, o romance Meu pé de Laranja Lima, chorei e tudo emocionada. Continuei lendo, agora os romances solicitados pela escola, Iracema, Senhora e outros exigidos na época. Finalmente, prestei meu primeiro vestibular, aprovada fazia materia de Italiano, Inglês e outra não me lembro qual, na antiga escola de Letras da UFBA que era no Bairro de Nazaré, em frente a Escola de Engenharia Eletromecânica, e como toda escola tinha uma biblioteca, muito farta em livros.Li tanto livro, professora, a coleção inteira de Jorge Amado, Guimarães Rosa, José de Alencar,minha ficha tinha que ser sempre trocada,pois enchia com rapidez. Eu só andava com um romance nas mãos, principalmente, porque tinha e tenho o costume de ler em ônibus,e isto sempre me ajudou a não ver o tempo passar, nem percebo os engarrafamentos ou atrasos da viagem. Hoje tenho que continuar lendo, entrei novamente na universidade e para mim não é nenhuma tortura, adoro ler, pena que o meu tempo agora é escasso, mas continuei,antes de entrar na UNEB, sempre lendo, sou espírita e passei a ler literatura espírita, nunca parei de ler, sempre tenho um livro em minha bolsa.
    E o livro é um refúgio, pois quando estou lendo consigo esquecer de tudo, funciona para mim como uma terapia. Adoro ler!
    Lídice aluna do 2º semestre, noturno.

    ResponderExcluir
  48. BOM DIA PROFESSORA, EU SOU TERESA ALUNA, DA NOITE.VOU CONTAR UM POUCO DA MINHA EXPERIÊNCIA COM A LITERATURA DURANTE O ENSINO BÁSICO.EU PASSEI AME INTERESSAR PELA LEITURA QUANDO TINHA 12 ANOS, UMA AMIGA ME APRESENTOU ALGUNS ROMANCES DE AMOR. NA ÉPOCA FIQUEI APAIXONADA.MAS SÓ FUI TR CONTATO COM A LITERATURA QUANDO ESTAVA NO GINÁSIO.ACREDITO QUE FOI O HÁBITO DE LER ESSES TIPOS DE ROMANCES QUE ME LEVOU A CONTEMPLAR E GOSTAR DOS LIVROS DE JOSÉ DE ALENCAR E MACHADO DE ASSIS( O QUAL EU GOSTO MUITO). ACREDITO QUE A LEITURA É CAPAZ DE ABRIR MUNDO E UNIVERSOS DESCONHECIDO, ELA AMPIA NOSSOS CONHECIMENTO E NOSSA CAPACIDADE DE PERCEBER O MUNDO.

    ResponderExcluir
  49. Olá!
    Minha experiência vem desde cedo, pois meu pai me ensinou a ler no jornal A TARDE e procurando palavras que eu não conhecia, no dicionário!
    Lia muitos livros infantis, que hoje não lembro autories nem títulos, infelizmente.
    Já no colégio, lia porque estava no currículo ler Machado de Assis, José de Alencar e outros.
    Lia também muita fotonovela, que era preta e branca, depois passou a ser colorida. Pena que acabou. Ficava horas... lendo elas. Lia também romances como Julia, Sabrina, best selers.
    Lia também livros de auto-ajuda, motivação, administração de empresas. Jornais, revistas em quadrinho, como Tio Patinhas, Mickey, Turma da Mônica (gostava da sabedoria do Chico Bento).
    Na juventude fiz poesias, pequenas músicas, porque sempre fui apaixona ou por alguém ou pela vida! Ex: Eu vou voar além do horizonte prá ver se você está para encontrar nosso amor perdido... por aí vai. É só o que me lembro, da paixão que me deixou cega alguns anos! He he.
    Estou me esforçando ao máximo para ler tudo que a faculdade pede, não é fácil, para quem ficou meio que "fora do ar" durante 34 anos (dos estudos, da leitura)!
    Minha maior dificuldade é a interpretação de textos, entender mais a fundo o que o autor quer dizer e falar com as minhas palavras.
    Já fui muito ao teatro, até iniciei um curso na juventude, pelo SESI.
    Participei na infância de corais de escola, participava de tudo que a escola oferecia: teatro, banda marcial, maculelê, passeios, basquete, natação, música. Foi muito bom mesmo.
    Pena que hoje essas coisas não tem para as crianças e jovens da chamada "periferia", porque senão a realidade seria outra.

    ResponderExcluir
  50. OLÁ PESSOAL, ESTOU ADORANDO CONHECER UM POUCO DAS VIVENCIAS DE VCS.

    PROFESSORA LUCIA POR JÓIA ENTENDA-SE
    JOILDA ANDRADE - SEGUNDO SEM. VESPERTINO

    BJS

    ResponderExcluir
  51. Minha história com a literatura teve início com a descoberta do mundo encantado dos quadrinhos, não na infância, mas já na idade juvenil.
    Os quadrinhos levaram algum tempo para dividir espaço com livros e outros tipos de literatura. E na chegada do ensino médio foram acontecendo novas descoberta com outros tipos literários mais densos, as vezes intrigantes, interessantes ou até mesmo repugnantes.
    O tempo passou e os livros e suas histórias estão presente na minha vida.
    Creusa dos Reis
    2º Semestre - Pedagogia Turno/Matutino

    ResponderExcluir
  52. Magali Silva, 2 semestre, matutino
    Olá pessoal!
    O incentivo a leitura surgiu desde muito cedo na minha vida, com revistas em quadrinho e historinhas infantis, na escola lia sempre que necessario apesar de ñ ser uma leitura tão prazerosa.
    Meu grande encantamento se deu quando estudei os movimentos literarios, viajei muito por esse mundo o q me fez desperta ainda mais o interesse pela leitura, com os classicos. Ñ me contetava com o q era passado na escola e continuava a estudar o assunto em casa, e fui gostando cada vez mais de literatura.
    Apartir daí decidir que seria professora, pra ter a chance de fazer outras pessoas se apaixonarem pela literatura como um dia uma professora fez comigo. *_*

    ResponderExcluir
  53. Olá, Meu Nome è Nínive Rebeca- II° semestre /vespertino.
    Bom, a literatura sempre fez parte da minha vida! Aprendi a ler bem cedinho, com 3 anos e meio e desde então foi de maneira crescente a minha aptidão pela leitura.
    Na escola sempre lia todas as literaturas que estavam no cronograma, só enfrentava um pouco de dificuldade quando o livro era de ficção, pois não me interessava muito pelo irreal. Creio que a criança desde cedo incentivada pela escola e pela família a ler livros, revistas, todo e qualquer tipo de leitura, terá um bom desempenho comunicativo, e criará um hábito maravilhoso que é : LER !
    Beijinhooo!

    ResponderExcluir
  54. Meu interesse pela leitura e por conseguinte pela literatura surgiu assim que tive meus primeiros contatos, no início da minha vida escolar. Contudo, embora gostasse muito, considero a literatura que me foi apresentada nesta época muito limitada, restrita aos livros didáticos.
    Por esse motivo, talvez, meu "encantamento" pela mesma tenha diminuído na fase da pré-adolescência, período em que muitos para-didáticos eram exigidos no cronograma escolar (geralmente de maneira descontextualizada) e que eu só lia por obrigação ou, algumas vezes, nem o fazia.
    Um objeto que não abri mão, porém, foi o meu caderno (recordei-me agora da canção de Toquinho, que por sinal me identifico muito...), já que a arte da escrita sempre foi bastante valorizada por mim, tendo em minha vida grande representatividade.
    Na adolescência, fase de conflitos psicológicos, entrei em contato com livros de auto-estima, os quais tiveram uma grande contribuição para meu "reencantamento" literário; sem falar também que nessa época se acentuou a preocupação com o vestibular, e a literatura então teve um peso ainda maior no âmbito escolar.
    Hoje, meu gosto literário é bastante eclético, não possuindo um gênero literário de preferência procuro extrair o máximo de aproveitamento possível de tudo aquilo que leio e, sempre que possível, faço meus registros naquele que me acompanhou em toda minha experiência literária, "meu amigo", colega", "confidente fiel": O Caderno.

    Eliana Sena
    Graduanda do 2º semestre - matutino
    Curso Pedagogia

    ResponderExcluir
  55. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  56. Olá galera!!!
    Minha experiência literária que me recordo bem foi "Meu Pé De Laranja Lima" de José Mauro de Vasconcelos,indicado por uma professora,Eu me encaixei direitinho com essa história, vivia situações semelhantes as do garoto Zezé.
    Aos 14 anos,despertei a vontade de ler romances policiais, por intermédio de meu pai, e o meu primeiro livro policial foi "O Caso Dos Dez Negrinhos", de Agatha Chritie,adorei!!! Uma obra cheia de suspense, de arrepiar!!! Recomendo viu? É com muita alegria que compartilho com vocês essa passagem literária na minha vida, um grade beijo para todos, e um forte abraço para você professora Lúcia Leiro.


    Rita de Cássia Veloso Benzano, aluna do curso de Pedagogia, Uneb, turno, matutino, 2ºsemestre.

    ResponderExcluir
  57. Desde pequena, antes de aprender a ler, minha mãe sempre lia pra mim um livro amarelo chamado "O meu livro de história biblicas" publicado pelas testemunhas de Jeová. Assim depois que eu aprendi a ler esse foi o primeiro livro que li sozinha.
    Contudo na escola, eu só consigo lembrar de leituras a partir da terceira série. Eu realmente não lembro agora o nome do livro e nem a autora, mas me recordo bem da história, porque depois de ler tivemos que criar um roteiro para apresentar como peça. Era a história de uma princesa que tinha três amas: Exclamativa, interrogativa e afirmativa! E uma bruxa que transforma o rapaz de que ela gosta em um grilo.
    Mais tarde três livros que eu li na escola e gostei muito foram "Meninos de rua", "Esmeralda, porque não dancei" e "A última viagem". Esses livros me marcaram muito, porque eram histórias verdadeiras e emocionantes de superação.
    Hoje em dia eu tenho lido livros, em sua maioria que se tornaram filmes. Então é isso, esse é meu relato de leitura escolar.

    Fernanda Barbosa Novaes, aluna do curso de Pedagogia, Uneb, do turno matutino. 2°semestre.

    ResponderExcluir
  58. "Ao abrir meus olhos, lá estava ela toda caracterizada, sorrindo e cheio de idéias "mirabolantes" na cabeça, idéias que me faziam viver na terra do nunca, correr atrás de fantasmas, ser a bela e a fera, assim como um "capitão de areia", etc... Faziam me sorrir".

    Esses dias aventurados fizeram parte da minha infância, inicialmente dentro de casa com minha mãe (como descrevi acima) depois nas brincadeiras em grupo, nas aulas infinitas de teatro que começaram cedo (com apenas 4 anos) e no meu dia à dia... Um contato com a literatura que ia além do ler ou escutar, era um viver fantasiando... Assim aprendi com minha mãe: ler, ouvir e viver!!!

    Provavelmente uma tática materna de nos deixar à parte dos momentos conflituosos que vivíamos. Posso dizer que funcionava perfeitamente de diversos ângulos. Brincadeiras como essa me despertou o interesse pela leitura, pelo teatro, pela arte. A televisão acabou ficando de lado e a imaginação tomou conta do resto.

    Foi muito bonito... A diversão, se transformou em paixão e os livros fizeram cada vez mais parte da minha vida. Claro que como todos teve suas épocas de crise. Épocas de escola e trabalhos de leitura mal empregados quase que me tiraram essa paixão.

    Mas felizmente posso dizer que resisti...hehe!

    Beijos à todos

    Ellen Balland- Pedagogia Noturno - 2°semestre.

    ResponderExcluir
  59. Tudo começou com as primeiras letras do ABC, pequeno livro que nos ensinavava a juntar letras para formar palavras.Vieram as historinhas em quadrinhos, pequenos textos retirados de fábulas, tais como: A cigarra e a Formiga etc.
    O tempo foi passando e as leituras se tornaram mais complexas, foi a fase de comentar sobre romances de grandes autores, Gustave Flaubert e seu best seller Madame Bovary, Vladimir Nobokov com Lolita,Aloísio de Azevedo e a Casa de Pensão, entre outros menos famosos.
    Os textos mais conteporâneos diziam respeito às notícias locais e internacionais, falando de política, educação, e formação geral.
    Tinha também predileção por livros de bolso, as temáticas eram variadas, indo do faroeste à espionagem (TEX WILLER, Giselle Montfort). Estes textos prendiam a minha atenção, chegando a ler dois livrinhos por dia. Eu viajava...
    Tenho predileção por textos que falam sobre a formação da civilização brasileira, seus personagens históricos, suas influências na sociedade atual.
    Atualmento tenho lido sobre grandes sociólogos, antropólogos, teóricos da educação, e uma infinidade de autores de destaque no mundo da educação.
    Finalizo, com a certeza de trilhar um caminho sem volta, o da constante busca do saber.
    Um forte e afetuoso abraço, à professora e aos colegas de Pedagogia II semestre Noturno Uneb.

    ResponderExcluir
  60. Momentos e passatempos é de autoria de Raimundo Boaventura, aluno de pedagogia II semestre noturno.No decorrer desta jornada eu irei melhorar meu desempenho. Prometo!

    ResponderExcluir
  61. Estou acompanhando.
    Ainda falta gente comentar...
    :0)

    ResponderExcluir
  62. Minha experiência de leitura é:

    UMA CARTA PARA TODOS OS MOMENTOS

    Oi! Meu leitor, ouvinte amigo
    Te conto uma história
    Que acontece comigo
    E que não sai da “cachola”
    Como um álbum de fotos,
    Que vez em quando me volto
    Pode ser livro de memórias?

    Desde moça, minha mãe
    Tem por lazer a escrita
    E tirar fotografias,
    O que me felicita
    Sabe congelar o tempo
    Este livro da “mamita”.

    Em um dia de saudades
    Colou umas fotos no papel
    Pôs a escrever uma carta
    Com o sentimento fiel
    I’nda hoje está narrando
    Nossas historias com mel.

    Ela me deu como uma carta
    Mas não fica na minha mão.
    É objeto valioso,
    Feito com o coração
    E que tenha muitas folhas,
    O amor como expressão.


    Géssica Lima Nunes
    Turno Noturno

    ResponderExcluir
  63. Oi gente!Essa é aminha experiencia de leitura.

    Cursava a sétima série do ensino fundamental, no Colégio Estadual Presidente Costa e Silva, na cidade baixa, precisamente no bairro da Ribeira. Escola grande! Digo grande, em dimensão, não que tenha conhecido escolas maiores, mas naquele tempo foi uma das maiores onde tinha estudado. A frente do colégio é na Madragoa e o fundo dá na praia, vista linda por sinal!
    Sentávamos na arquibancada, eu e minhas colegas, na hora do recreio pra assistirmos os meninos jogarem bola ou educação física de outras turmas. Havia alguns vãos do colégio a que nem ousávamos ir, só olhávamos de longe, julgando ser muito desertos. Também, colegas que estudaram mais tempo lá, contavam estória ou história de freiras que foram enterradas ali, crianças que elas pariram. Dizem que antes era um convento. O pior é que, às vezes, tínhamos a impressão de ouvir gritos de crianças, choro de recém-nascidos. Quantas vezes saíamos correndo com medo dos fantasmas! E a professora de literatura ainda passou um livro pra lermos dentro de uma semana e valeria como avaliação da segunda unidade.
    Depois que comecei ler o livro, aí que a coisa piorou: o livro era de suspense, o nome do livro? O Escaravelho do Diabo de Lúcia Machado de Almeida. Eu nem dormia direito, todo dia sonhava, nem sei se era sonho ou pesadelo, só sei que tinha que ir até o fim, ou seja, ler até o final, pois seria minha nota da segunda unidade. Também não sei se deixaria pela metade, pois era um romance policial, onde aconteceram muitos assassinatos e que pelo visto tinha sido praticado por um único homicida e eu não sossegaria se não descobrisse quem era o assassino.
    Meu colega de sala, um dia, chegou muito misterioso, com algo na mão, olhou para trás e depois para os lados e colocou na carteira de minha colega Andréia, que por sinal, era ruiva, alguma coisa que de longe não dava pra ver. Mas minha curiosidade me fez ir até próximo, pois a lixeira ficava perto e amassei um papel e fui jogar fora, olhei, era uma caixa de fósforo.
    Voltei trêmula, olhos esbugalhados, a mente começou trabalhar: meu Deus! Será que ele é o assassino?! Caí na real e pensei – Que brincadeira sem graça desse menino! Mas mesmo assim, não queria conta com ele. Era uma brincadeira de mau gosto, visto que no livro todos que recebiam a caixinha com o escaravelho dentro, estava sendo avisado de que seria morto. E todos que eram assassinados tinham cabelos ruivos.
    Eu, por estar envolvida, na leitura do Escaravelho do Diabo, mergulhei com tudo na imaginação, me transportei a ponto de me distanciar da realidade. Fico a pensar: se eu morena fiquei meio apavorada, imagine a colega!

    Beijos! Patrícia. pedagogianoturno 2010.2

    ResponderExcluir
  64. Olá Pessoas
    Meu nome é Andréia, sou aluna do curso de Pedagogia noturno, 2º Semestre, bom meu primeiro momento de leitura com a literatura foi no ensino fundamental, as minhas primeiras lembranças não são muito atrativas pois não gostava de ir a escola chorava muito para não ir. Com o passar dos dias me adptei com os coleguinhas, e com a Pró, que me lembro que era uma doçura de pessoa. Me recordo muito bem dos meus primeiros passos de leitura na minha infância, foi quando a minha irmã resolveu ler revistas enquadrinhos da Turma do Chico Bento elas me chamaram muito atenção, por causa dos desenhos, a linguagem,lia todas, era muito divertido, lia até duas, três vezes a mesma revistinha, isso me fazia viajar com a minha imaginação.
    Andréia 2ºsemestre pedagogia noturno

    ResponderExcluir
  65. Olá pessoal

    Claudinei Costa - 2° semestre Pedagogia - noturno

    minha primeira experiência de leitura aconteceu em casa mesmo, pois antes de nascer, meu pai havia comprado uma coleção de Monteiro Lobato ( de Reinações de Narizinho até Os doze trabalhos de Hércules) e simultaneamente com as aulas da escola,e na medida em que ia desenvolvendo,ia lendo e a imaginação corria solta,acompanhando as aventuras fantásticas daquela turma.Sempre gostei de ler, então acrescente-se a isso gibis,revistas e livros de aventura,etc.São lembranças inesquecíveis !!

    ResponderExcluir
  66. Olá a tod@s,

    Eu sou Josenice do curso de pedagogia 6º semestre-vespertino. Estou cursando a disciplina de literatura e educação na turma do 2º semestre-noturno.
    Minha experiência com literatura e educação começou
    quando criança escutava histórias sobre o sitio do pica-pau amarelo e me
    recordo que gostava bastante. Não realizava as leituras, somente as ouvia.
    Na adolescente comecei a ler alguns romances como de José de Alencar, realismo de Machado de Assis, a leitura desses autores me despertaram para o mundo da leitura e me motivar a ler outros e outros autores literários.
    E agora retornei a ler literatura, só que infantil, pois trabalhei com educação infantil, no trabalho com essa modalidade descobri livros interessantes como “qual é a cor do amor?”, “minha mãe preta” só não me lembro o nome dos autores”...Resumindo essa é minha experiência com literatura e educação, queria ter tido mais contato com a mesma.

    ResponderExcluir
  67. Olá! Eu sou Miranisa, aluna do 2º semestre vespertino e também da professora Lúcia Leiro.
    Na minha infância ouvia da minha avó materna, muitas histórias (ou poderia dizer estórias) antigas. Já o contato com leitura eu posso dizer convicta que foi na minha 8º série, quando inaugurou a biblioteca da escola onde eu estudava. Para mim ali foi um grande estímulo pois nem todas as escolas tinham um cantinho daqueles para leitura. Iniciei com o livro PORTAL PARA O PARAÍSO, o qual eu achava muito interessante, talvez pelo fato da história estar ligada ao meu cotidiano e a minha realidade. daí então passei a ler com mais frequência e até escrevi várias poesias, mas agora parece que a poeta morreu ou adormeceu, não consigo mais produzir nenhuma linha. Mas também, faz tempo que parei de sonhar e coloquei os meus dois pés bem firmados no chão.

    ResponderExcluir